Leipzig: A nova Berlim

“Mas por que você veio a Leipzig?”

“Porque Leipzig é uma cidade que nos abraça.”

Essa foi a resposta de uma amiga alemã quando a questionei do porquê havia deixado sua cidade, lá do lado ocidental da Alemanha, e se mudado para Leipzig.

Embora pouco conhecida, Leipzig está a menos de duas horas de Berlim e é a mais populosa cidade da Budesland (estado alemão) da Saxônia, com mais de 500.000 habitantes, e possui até nome próprio na língua portuguesa: Lípsia.

Situada na antiga Alemanha Oriental (ou DDR), a cidade foi uma das precursoras dos movimentos sociais que culminaram na queda do muro de Berlim. Sofrendo um forte processo de despovoamento após a reunificação alemã, Leipzig vem nos últimos anos revertendo tendência e se consolidando como o principal centro cultural, artístico e alternativo da Alemanha, até então dominado pela capital Berlim.

Prédios abandonados e de fachadas pichadas, aos poucos voltam a ganhar vida com o crescimento da cidade

Restaurantes veganos, lojas góticas, coletivos culturais, ocupações sociais, cinemas alternativos e arte de rua são atributos corriqueiros da cidade, cujo cenário urbano oferece desde belos parques como o Clara-Zetkin, o bairro hipster Plagwitz, a multicultural e cosmopolita rua Eisenbahn até muitos prédios inteiros abandonados e de fachadas pichadas, que aos poucos voltam a ganhar vida com o crescimento da cidade.

Aos que estiverem de passagem pela cidade, recomendo uma tarde bebendo uma boa Pilsner alemã na Sachsenbrücke, uma ponte onde estudantes, jovens e artistas se encontram para apresentações e música ao ar livre.  Durante o verão, também vale uma visita a um dos vários lagos da cidade, que são transformados em verdadeiras praiazinhas com direito a areia e quiosques. Aos mais desprevenidos, não se assustem com as famosas praiazinhas com o símbolo “FKK” (Freikörperkultur – cultura do corpo livre), onde o uso de roupas é opcional.

Do mais, só um passeio pelas suas ruas já se sente toda vibe diferente da cidade, um caldeirão de tribos urbanas diametralmente opostas, mas que convivem harmoniosamente e trazem tanta diversidade para essa cidade única alemã.

 

Texto e fotos: Leandro Torricelli

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *