Projeto Câmera na Mão terá Mostra de Curtas na Biblioteca Municipal

Mais de 100 adolescentes de baixa renda já foram atendidos pelo projeto Câmera na Mão que entra em sua fase final e terá uma premiação especial aos melhores filmes produzidos pelos alunos. Na próxima terça-feira (31/07), acontece a ‘Mostra de Curtas’, evento aberto ao público que terá votação do curta-metragem preferido. A exibição será no auditório da Biblioteca Municipal Professor Nelson Foot, em Jundiaí.

Nesta 4ª edição, o projeto foi selecionado pelo Proac (Programa de Ação Social do Estado de São Paulo) e está em sua fase final. Dois dos três filmes, todos com roteiro original, realizados pelos 15 alunos, já foram finalizados e outro já está na fase final da edição. Ao todo, já foram produzidos 13 curtas nos dois módulos da edição 2018 e que contou com a participação de mais de 30 jovens.

Voltado para adolescentes de 12 a 17 anos de baixa renda, o ‘Câmera na Mão’ teve início em agosto de 2017 e acaba em agosto deste ano, com direito à formatura e festival – uma espécie de Oscar Júnior. Desde sua criação, o projeto já atendeu mais de 100 jovens. O coordenador do ‘Câmera na Mão’, o publicitário Carlos Zaik, pretende realizar a formatura e o festival no final de agosto, mas ainda está procurando um auditório para realizar os dois eventos.

Mostra e premiação

No próximo dia 31 de julho, a partir das 19h, será realizada a Mostra dos Curtas, na Biblioteca Municipal Professor Nelson Foot. O evento, aberto ao público, servirá como uma prévia do ‘Oscar Júnior’ e os presentes poderão votar em seu curta-metragem preferido.

Além dos alunos do Câmera na Mão, também irão se formar os 20 alunos do projeto Cinema e Literatura, realizado em contrapartida por utilizarem o espaço da biblioteca municipal, que produziram quatro curtas-metragens; e os sete alunos do Céu das Artes, que fizeram um curta. “Resolvemos fazer uma extensão do Câmara na Mão no Céu das Artes por uma questão de logística, porque era muito difícil deslocar os alunos até a biblioteca devido à distância.”

Câmera na Mão: Equipes do 'Cinema e Literatura' concluindo a fase de captação de imagens na rua
Equipes do ‘Cinema e Literatura’ concluindo a fase de captação de imagens pelo projeto Câmera na Mão

Neste festival, serão premiados os três filmes realizados no Câmera na Mão, nas categorias melhor diretor (que vai ganhar um drone), melhor diretor de fotografia (uma câmara fotográfica), melhor roteirista (um netbook), além de melhor filme, melhor ator e melhor atriz, que ganharão troféus. Os demais filmes também ganharão troféus.

A premiação, no entanto, já começou. Duas alunas, eleitas as melhores da turma, ganharam uma bolsa para fazer um curso intensivo de dez dias na Academia Internacional de Cinema, em São Paulo. São elas Stheffany Mazzoni e Pietra Spiandorin.

Objetivos e desafios

Segundo Carlos Zaik, o grande desafio desta 4ª edição foi dar andamento ao projeto após os aportes terem sido suspensos temporariamente. Isso porque ele resolveu arriscar e iniciar o projeto quando apenas 35% do valor do Proac tinham sido liberados. Por conta disso, foi preciso modificar a equipe original, mas tudo foi possível graças ao apoio dos patrocinadores – Destro Macro Atacado, Lojas Me.Linda e Academia Internacional de Cinema.

E o principal objetivo foi cumprindo, de acordo com Zaik. “Criamos o curso não apenas pensando na parte prática – produção de vídeo, roteiro, edição – mas também em dar um ganho intelectual aos alunos. Para que eles melhorem sua autoestima e saibam que são capazes de muito. E com isso melhoram na escola, na convivência social e abram os olhar para um mundo cheio de possibilidades.”

Zaik diz que o lema do curso é “levar a pensar até gostar de aprender”. E isso tem mesmo dado resultados. Que o diga Kailane Vitória dos Santos, de 15 anos, que ganhou a bolsa para o curso na Academia Internacional de Cinema na 3ª edição, no ano passado. E ela gostou tanto que voltou ao curso este ano, na função de roteirista do filme “Conexões”, com o qual espera ganhar o prêmio.

“Sempre gostei de escrever e com o curso descobri minha capacidade de criar fazendo o que mais gosto. Pretendo fazer faculdade de cinema. O curso também me ajudou a perder a timidez, hoje consigo me relacionar melhor com as pessoas”, conta.

Após a finalização dos filmes, que são propriedade dos alunos, serão feitos 100 DVDs para ser entregues em escolas, bibliotecas e empresas. Zaik também fará uma série de palestras nas escolas estaduais de Jundiaí, no segundo semestre deste ano, para conscientizar os adolescentes sobre tudo que podem realizar e de como podem contribuir para a sociedade.

Após a formatura, os alunos poderão inscrever seus filmes em festivais próprios para adolescentes. O coordenador explica que agora começa a fase de prestação de contas para poder lançar a 5ª edição do projeto.

 Cinema e Literatura

Assim como o Câmera na Mão, o projeto Cinema e Literatura também tem aulas uma vez por semana, na biblioteca municipal. Com uma diferença: os roteiros devem ser baseados em um livro. No primeiro ano do projeto, em 2017, foram abertas 15 vagas, 13 pessoas se inscreveram e apenas sete fizeram o curso. “Eles não acreditaram que seria possível fazer um filme a partir de um livro. Mas os alunos fizeram um curta de  oito minutos, chamado  ‘Um Corpo na biblioteca’, que ficou ótimo”, conta orgulhoso Zaik. “Então, em 2018 tivemos mais vagas e 20 alunos participaram e produziram quatro curtas.

 Serviço:

Mostra de Curtas dos projetos “Câmera na Mão” e “Cinema e Literatura”

Dia 31 de julho

19 horas

Auditório da Biblioteca Municipal Nelson Foot

Aberto ao público

 

Da Redação

Foto: Divulgação

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *